sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Coisas que recebemos

Uma coisa que eu tenho muita preguiça mesmo é mensagem em power point. Quanto falo que sou católica parece que abri as portas para receber todos os tipos de mensagens edificantes e correntes.

Sou católica e odeio corrente. Não repasso, deleto mesmo.

Receber um texto legal sem anexo já é outra coisa. Leio e se gosto divulgo, como este aqui que recebi de uma amiga:



"Lição do Ratinho.

Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que haveria ali.
Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado.
Correu ao pátio da fazenda advertindo a todos:
- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa !!
A galinha disse:
- Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda.
O rato foi até o porco e disse:
- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira!
- Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser orar. Fique tranqüilo que o Sr. Será lembrado nas minhas orações.
O rato dirigiu-se à vaca. E ela lhe disse:
- O que ? Uma ratoeira ? Por acaso estou em perigo? Acho que não !
Então o rato voltou para casa abatido, para encarar a ratoeira.
Naquela noite ouviu-se um barulho, como o da ratoeira pegando sua vítima.
A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pego.
No escuro, ela não viu que a ratoeira havia pego a cauda de uma cobra venenosa. E a cobra picou a mulher... O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre.
Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja de galinha. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.
Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la.
Para alimentá-los, o fazendeiro matou o porco.
A mulher não melhorou e acabou morrendo.
Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro então sacrificou a vaca, para
alimentar todo aquele povo.






Moral da História:

Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um
problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se que quando há
uma ratoeira na casa, toda fazenda corre risco.

O problema de um é problema de todos!





PS.: excelente fábula para ser divulgada principalmente em grupos de
trabalho!
'Nós aprendemos a voar como os pássaros, a nadar como os peixes, mas
ainda não aprendemos a conviver como irmãos'

8 comentários:

Bordados e Retalhos disse...

Ana, adoro essa fábula. Sabe fui radialista dez anos. Produzi e apresentei um programa de rádio chamado Povo e Cidadania e lá tinha um quadro: Contando uma história. Adorei quando contamos essa. Também sou católica e detesto correntes e os enjoados power points. As vezes deleto sem abrir. Bjs

Layla Barlavento disse...

Excelente exemplo! Vou divulgar com certeza!

Beijos na alma!
Layla Barlavento
culpadowalter.blogspot.com

Adri Polo disse...

Aninha eu amoooooooo essa fábula...Tb odeio e tenho preguiça dessas correntes e dos textos em power point...kkkk Foi ótimo vc ter falado isso.Beijocas queridaaaaaaa

Glorinha Leão disse...

Ana, AMEI!
Essa fábula é tão atual que chega a arrepiar!
E eu tb deleto essas corrrentes...odeio...até de buda já recebi pra dar dinheiro...ai caracas, coisa mais chata...será que as pessoas acham que o deus delas tem computador...e lê correntes?
Não tenho a menor paciência...
Beijos e bom final de semana!

Amanda disse...

Oi Ana adoreiii... vamos compartilhar! Bjs

Buh disse...

Nossa linda fabula, amei o textoo
Nunca havia lidoo
Parabéns por divulgar, repassar =)
bjuu

Maria Lúcia disse...

Oi
Ana que história bonita
eu ouvi essa história,
à muito tempo.
Beijos...
Lúcia.

Elaine disse...

Olá!
Tem uma poesia que agora não lembro de quem seja, acho que de Bertold Brechet, que diz: Quando era com eles não era a mim que tocava, mas agora é comigo...
Ele se referia à época da perseguição nazista.
Realmente o problema dos outros pode vir a me atingir em cheio e solidariedade é algo precioso...
Lindo blog ´seu, parabéns.
Fique com Deus.