sábado, 22 de agosto de 2009

Nostalgia

Não gosto muito desta gata rosa. Está na moda mas ela não me encanta.





Sempre preferi este cãozinho.




Ele sim é um charme. Ele e toda a turma.

Vendo esta imagem tão nostalgica me lembro da crônica do Mário Prata.


"A máquina de escrever"
(Mário Prata)

"Ouve só. A gente esvaziando a casa da tia neste carnaval. Móvel,roupa de cama, louça, quadro, livro. Aquela confusão, quando ouço dois dos meus filhos me chamarem.
- Mãe!
- Faaala.
- A gente achou uma coisa incrível. Se ninguém quiser, pode ficar para a gente? Hein?
- Depende. Que é? Os dois falavam juntos, animadíssimos.
- Ééé... uma máquina, mãe.
- É só uma máquina meio velha.
- É, mas funciona, está ótima!
Minha filha interrompeu o irmão mais novo, dando uma explicação melhor.
- Deixa que eu falo: é assim, é uma máquina, tipo um... teclado de computador, sabe só o teclado? Só o lugar que escreve?
- Sei.
- Então. Essa máquina tem assim, tipo... uma impressora, ligada nesse teclado, mas assim, ligada direto. Sem fio. Bem, a gente vai, digita, digita...
Ela ia se animando, os olhos brilhando.
- ... e a máquina imprime direto na folha de papel que a gente coloca ali mesmo! É muuuito legal! Direto, na mesma hora, eu juro!

Eu não sabia o que falar. Eu ju-ro que não sabia o que falar diante de uma explicação dessas, de menina de 12 anos, sobre uma máquina de escrever. Era isso mesmo?

- ... entendeu mãe?... zupt, a gente escreve e imprime, a gente até vê a impressão tipo na hora, e não precisa essa coisa chata de entrar no computador, ligar, esperar hóóóras, entrar no word, de escrever olhando na tela, mandar para a impressora, esse monte de máquina, de ter que ter até estabilizador, comprar cartucho caro, de nada, mãe! É muuuito legal, e nem precisa de colocar na tomada! Funciona sem energia e escreve direto na folha da impressora!

- Nossa, filha...

- ... só tem duas coisas: não dá para trocar a fonte nem aumentar a letra, mas não tem problema. Vem, que a gente vai te mostrar. Vem...
Eu parei e olhei, pasma, a máquina velha. Eles davam pulinhos de alegria.

- Mãe. Será que alguém da família vai querer? Hein? Ah, a gente vai ficar torcendo, torcendo para ninguém querer para a gente poder levar lá para casa, isso é o máximo! O máximo!

Bem, enquanto estou aqui, neste 'teclado', estou ouvindo o plec-plec da tal máquina, que, claro, ninguém da família quis, mas que aqui em casa já deu até briga, de tanto que já foi usada. Está no meio da sala de estar, em lugar nobre, rodeada de folhas e folhas de textos 'impressos na hora' por eles. Incrível, eles dizem, plec-plec-plec, muito legal, plec-plec-plec. Eu e o Zé estamos até pensando em comprar outras, uma para cada filho. Mas, pensa bem se não é incrível mesmo para os dias de hoje: sai direto, do teclado para o papel, e sem tomada!
Céus. Que coisa."



Eu fiz aula de datilografia com um método chamado:

A ASA DA CASA, acho que é isto. E você? Já ouviu o tec tec?

10 comentários:

Sugai disse...

menina:
na verdade, o texto é da lúcia carvalho, que me mandou por e-mail. coloquei na crônica que saiu no estadão onde explicava a origem.
obrigado por se lembrar dela.
beijo
mario orata

Sabrina Mix disse...

Oi, menina!

Eu também nunca gostei dessa gata sem boca.

Bom, quanto à máquina de escrever, quando eles já tiverem desencantado um pouco, mostre este texto a eles. Foi o que de melhor eu achei em linguagem infantil.

Beijos e sucesso!!!

http://www.sabrinamix.com

Pri disse...

eu tenho uma tb! vez ou outra escrevo cartas nela! adoroo! bjooo

Luciana disse...

Barabaro!!!
sorry ;) vou postar no Com sal ok?
bjkssss
*ih... roubei uma idéia tua rsrsrsrs

Luciana disse...

rsrsrs com certeza está em vantagem...rsrsrs
xi, vi que escrevi errado... é barbaro.
bjks

Luciana disse...

e volteiiii... tem selinho pra vc lá...
hehehehe

anareis disse...

Querido(a) novo(a) amigo(a), estou precisando muito de novos amigos pra me auxiliarem no meu projeto. Estou criando uma minibiblioteca comunitária e outras atividades pra crianças e adolescentes na minha comunidade carente aqui na minha comunidade carente no Rio de Janeiro,eu sózinha não conseguirei,mas com a ajuda dos amigos sim. Já comprei 120 livros e também ganhei livros até de portugal dos meus amigos dos meus blogs:Eulucinha.blogspot.com ,se quiser pode visitar meus blogs do google,ficarei muito contente. A campanha de doações que estou fazendo pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 ou pode doar livros ou pode doar máquina de costura ou pode doar retalhos,ou pode doar computadores usados. Qualquer tipo de doação será bemvinda é só mandar-me um email para: asilvareis10@gmail.com , eu darei o endereço de remessa. As doações em dinheiro serão destinadas a compra de livros,material de construção,estantes,mesas,cadeiras,alimentos,etc. Se voce puder arrecadar doações para doar ao meu projeto serei eternamente grata. Muito obrigado pela sua atenção

Danny Assis disse...

Adorei seu blog.
Eu sou louca pra ter uma máquina de escrever, acho mágico também...fazia tempo que não me lembrava mais desse "desejo".
Bjinhos

Ruiva disse...

Snoopy é meu ídolo!! Até ganhei uma mochila vermelha com ele bordado. Linda!!

Rê :) disse...

Tb prefiro o cãozinho!